28 abril 2017

Greve do cão


A nota do jornal dizia “Lambidas de cachorro podem parecer carinho, mas na verdade são apenas uma forma que os animais têm de identificar por onde o dono andou, diz a pesquisa norte-americaana. Como são animais com muita sensibilidade a cheiros e sabores, os cães fazem a festa, experimentando novas sensações quando seus donos voltam da rua.”
Cronista que sou, embaladao pelo clima de hoje, imaginei a cena abaixo:

Todos estavam tensos. Nervosos. Temiam a presença de espiões entre eles. Ao entrarem no austero prédio foram vasculhados minunciosamente e sequer uma pulga foi encontrada.
Civilizadamente caminharam sobre o piso de granito de Assuã – o mesmo das pirâmidas egípcias – admirando as pinturas dos mestres Boticelli e Donatello do renascimento florentino, para se acomodarem na mesa de jacarandá doada por Rui Barbosa. Estava reunida em Haia, na Holanda, a cúpula dos cães farejadores do planeta.
O artigo publicado nos jornais mundo afora encimava a pauta da reunião extraordinária.
A mesa redonda distribui o poder de forma equilibrada entre os presentes. O pastor alemão Lutero representa os farejadores de palavrões nos livros escolares. O labrador golden retriver Strongnose é o diretor de operaçãoe especias nos aeroportos da costa oeste dos Estados Unidos. É capaz de identificar a cidade de origem de qualquer americano pelo cheiro do chiclete. Batalão, é um premiado vira-latas da Rocinha: localizou um torcedor do América em dia de Maracanã lotado. Talmud é policial reformado do exército. Se aposentou antes de encontrar a paz no terrítório israelense. O mastiff Eticus, nascido em Roma, é especialista em fungar políticos. Em doze anos de serviço foi capaz de localizar dois honestos.
Com o austrero cenário descrito, alguns personagens apresentados e o microfone do tradutor simultâneo desligado para evitar gravações, deu-se início à reunião.    
Todos rosnaram simultaneamente.
– É um absurdo o que fazem conosco. Temos que dar um basta nesta situação abusiva.
– Exigimos o máximo de oito horas de trabalhos diárias.
– Precisamos de descanso semanal.
– Chega de ração. Exigimos comida decente.
– Também temos direito à sobremesa.
– Chega de banhos em quartos de empregada. Reinvindicamos banheiras com hidromassagem.
Apenas o sindicalista Arnoldo estava quieto no seu lugar. No momento certo latiu mais alto, silenciou todos. O pitbull conhecido por seu temperamento agressivo e apelido de Exterminador afirmou que precisavam de uma proposta única. Consequentemente todas as reinvindicações foram anotadas e por unanimidade foi votada e aprovada que iriam exigir o direito de lamber e cheirar bifes de filé mignon.
E agora sim, Arnoldo, com sua larga experiência apresentou a grande arma secreta, o único meio de persuadir os homens a terem boa vontade. Uma greve.
– Todos, até o cachorro do cafezinho latiram em coro: Unidos unidos jamais seremos vencidos; unidos unidos jamais seremos vencidos.
Foi deflagrada a greve por tempo indeterminado. A partir do dia seguinte todos os cães da face da terra deixariam de abanar o rabo.

18 abril 2017

Quando eu morri

Quando eu morri


Levei três tiros antes mesmo do amanhecer. O primeiro, por trás, na nuca, base do pescoço.
Uma rosa de sangue sujou meu colarinho. Procurei olhar no espelho, mas não enxerguei nada. Eu me sentia bem, anotei o endereço peguei o carro e fui para a casa. Desconhecidos me vestiram um pijama e pediram que eu fosse para a varanda. Mandaram que eu me deitasse no chão. Levei os outros dois tiros. Foram nas costas. Entre as costelas, na altura dos pulmões.
O sangue do pescoço já estava escuro e um enorme e pavoroso hematoma assinalava a violência sofrida. Agora o sangue saía também por dois buracos do meu pijama. O líquido, que imaginei ser quente, escorria gelado pelas costas manchando o piso empoeirado.
A varanda era enorme, talvez uns trezentos metros quadrados. Churrasqueira, bar.  Os banheiros masculino e feminino serviam também de apoio para a piscina e para a sauna. A varanda era o cenário perfeito para grandes festas com políticos, jogadores de futebol, modelos e colunistas sociais disputarem espaços e champanhes. Deduzi que a mesa espelhada fosse o suporte para fileiras do pó da alegria. Ao lado da varanda havia um enorme jardim assinado por um paisagista renomado. Observei que, apesar do sol já estar no alto, as luzes do gramado permaneciam acesas.
É muito desconfortável morrer num chão duro e sob um sol escaldante.
A ambulância estacionou no meio do jardim. O carro da perícia também parou no gramado da casa desenhando trilhas de pneus na grama japonesa. As luzes estroboscópicas em cima da viatura anunciavam o fim da festa. Em vez de DJ, o rádio berrava palavrões do delegado.
Os policiais e os paramédicos não deram a mínima importância. Ninguém veio verificar meu pulso.
Minha mulher também levou três tiros e agora, ao invés da cama, dividia o mesmo granito quente e empoeirado. Estava a um metro e meio de mim. O rosto inchado pela bala estampada na têmpora direita a deixava pavorosamente irreconhecível. Os olhos azuis contrastavam com o violeta da pele. Os cabelos loiros e cheirosos estavam empapados de sangue endurecido. Mesmo estirada, ela continuava sensual naquela camisola de seda branca maculada de púrpura brutal. Parecia lançar moda de horror.
O nosso filho estava junto de nós, eterno egoísta, tinha sua própria poça de sangue, resultado de três tiros no peito e um na testa. Nossa família, sempre unida, estava agora, sujando um pequeno espaço do piso da varanda.
Ficar naquela posição defunta era muito desconfortável.
Perguntei para minha esposa se ela estava pronta para ser colocada no saco preto e ser lacrada com um zíper. Como sempre, não respondeu.
Minha posição, deitado de lado, não permitia um bom ângulo de visão. Além disso, não sabia onde foram parar meus óculos. No máximo, via os sapatos daqueles que nos rodeavam. Muitos sapatos diferentes.
O sol de meio-dia esturricava nossa pele. O suor se misturou ao sangue. Estávamos sem protetor solar.
Um moço de tênis cotelê verde providenciou três guarda-sóis. O alívio foi imediato. Desejei que aquele moço fosse um eunuco e então providenciasse ventinho com um enorme abano de plumas.
Meus sentidos estavam prejudicados. Mesmo assim pude ouvir um sabiá assobiando docemente numa amoreira no fundo do jardim. Aprendi que a morte é lírica e acompanhada de canto de passarinhos.
Apareceu uma sandália havaiana. A dona se abaixou e perguntou se eu queria uma água de coco.
Respondi, irônico, que naquela posição só poderia tomar água de coco se me arrumasse um canudinho. A sandália não voltou mais.
Dizem que o sangue é doce. E eu acreditei. As formigas começaram a fazer fila indiana nas minhas costas.
Um par de sapatos pretos com solado grosso se aproximou e começou a me fotografar. Os flashes pipocavam e minhas pupilas acusavam o incômodo.
— Puxa, quando será vão me deixar em paz? – resmunguei baixinho.
Atrás de mim ouvi um diálogo:
— São só esses três?
— Não. Tem mais um ali, na ambulância.
Eu reconheci aquelas vozes: Selton Mello e Carlos Alberto Riccelli.
Então a morte é lírica com canto de passarinhos e vozes de atores globais. Concluo que morrer pode ser interessante.
O par de sapatos pretos com solado grosso retornou e voltou a pipocar flashes. As vozes de Selton e Riccelli repetiram o mesmo diálogo mais umas três vezes.
— São só esses três?
— Não. Tem mais um ali, na ambulância.

Morrer pode ser interessante, mas muito repetitivo.
Agora apareceu um sapato marrom. O dono do sapato se abaixou e com uma fita crepe marcou no chão a minha posição. Quando os contornos estavam assinalados ordenou:
— Preste bem atenção para retomar sua posição depois. Agora os atores vão descansar e depois retomaremos a filmagem no mesmo ponto. E cuidado para não melar a casa com a gelatina vermelha.


● Resultado da minúscula participação no filme “O Federal”                                                                                           

● Premiado no concurso de contos de São João da Boa Vista - 2009

11 abril 2017

Prezado Sr. J. L. Borges,

Recanto das Emas – DF, 3 de abril de 2017

Estou escrevendo esta carta porque a professora mandou. Disse que se a gente nunca ouviu falar no seu nome, era pra gente pesquisar.
O Borges que eu conheço é o cara do açougue perto de casa. Sei lá se é J. L. Borges, R. M. Borges ou T. T. Borges. Sei que a balança dele é delirante e a carne é fantástica.
Por sorte, a Leninha, maior nerd da turma, na mesma hora falou que já tinha lido seus livros O Zahir e O Aleph. Disse também que tu é o bonzão da literatura argentina.
Ela me deu todas as informações que eu precisava. Incluindo a principal. Tu morreu. Tá morto. E aí está a questão. Eu não levo um lero com o meu cachorro. Acho bizarro trocar ideias com plantinhas. Num falo sozinho. Agora a professora quer que eu escreva prum morto? Eu nem sei escrever argentino. Tá maluca.
Seria maneiro digitar para um morto-vivo como aquele personagem do Machado de Assis, que eu não me lembro o nome.
       Mas não, ela quer que eu escreva para J. L. Borges. Uma carta e não um Whatsapp. No hospital te deram alta celestial. Cê está longe, do outro lado da nuvem.
       Eu tou na bad, precisando de nota. Se eu digitar em vez de escrever posso levar chumbo. Minha letra é feia como um ET. Espero que ela leia e não rabisque antes de levar a carta pessoalmente.
       Hahaha, ela diz que sou maldoso.
       Por via das dúvidas, vou escrever a carta. Mas vou colocar num envelope e colar. Acho que ela num vai poder abrir porque seria violar direitos. Pelo menos entendi que o prof Leandro disse que o sigilo da correspondência é inviolentável. Vai ser comédia.
       Então agora, J. L. Borges, o papo é nós dois.
       A Leninha disse que tu acharia massa saber que ainda falam de você, depois de tanto tempo na cova. Ela disse que você manja dos paranauê fantásticos. Que você saca das coisas dos monstros do bem e dos monstros do mal. Sabe tudo de leão com asa, de mulher com cobra na cabeça, de pássaro de fogo que morre e vive, morre e vive, morre e vive. Isso é demais! Quem sabe tu me ajuda para criar uns mangá da hora. Eu queria um herói que não dá mole. Um cara que aguenta o fogo, porrada e até tranco da namorada.
        Vou fechando por aqui. Eu só precisava escrever uma página.
Se for responder, responda quando eu estiver acordado. Ok?

Assinado: Washyngton



04 abril 2017

Indigestão

Chamam-me verme.

Tenho orgulho em ser verme. Ofendido ficaria se me chamassem homem.

Sou feliz. O destino colocou-me num sebo, no paraíso. Farto-me com livros antigos. A minha dieta são livros saudáveis, produzidas com celulose importada. Evito os atuais que têm gosto de petróleo plastificado.
 
Nessa semana mudei de prateleira. Delicio-me com O Cruzeiro, revista semanal ilustrada. Comecei roendo uma moça de batom vermelho e cabelos encaracolados na altura dos ombros. Fiz um furinho no quepe da enfermeira. A capa da revista era macia como a cútis da moça.

Em seguida encontrei o cardápio que percorri na diagonal. Apenas o número da página e o nome do prato ou matéria, como os homens dizem, eram insuficientes. Resolvi mordiscar diversas páginas como se fosse rodízio de antepasto.

Desprezei a página que informava que em 1942 os submarinos alemães torpedearam 24 navios mercantes na costa brasileira e que 767 homens morreram.

Poupei o bebê ensaboado com Eucalol.

Adiante uma imagem de um homem me chocou. Deveria estar triste por causa da guerra. Mas, não. A legenda dizia que era o desalento pelo estado de inércia carnavalesca. Nos anos anteriores os pré-festejos se alastravam desde o centro até à orla. por causa da guerra, deram lugar ao desânimo carnavalesco.

Eu queria provocar o paladar. Não apenas uma escolha bonita. Por isso não dei bola para o sabor fútil do desfile de modas no Copacabana Palace.

Sei que a gente não deve falar de boca cheia. Fiz pior. Chorei com um desenho num cenário de exposição. Uma senhora segura um vaso e comenta que fora feito há 75 anos. Ao lado, metido num summer branco, o Amigo da Onça pergunta se foi ela que fez.

Depois roí as cordas do violão do Tonico ou do Tinoco. Não me lembro! Recordo que a dupla de sucesso era formada pelo fotógrafo Jean Mazon e pelo jornalista David Nasser. Na imagem em preto e branco, um homem de bigodinho fino, camisa listrada dentro das calças folgadas e de chapéu de palha, segurava um instrumento próximo de uma fogueira. A legenda completava: “Nesta cena, os tamborins de pele de gato sendo retesados. Os gatos do morro do Rio de Janeiro viviam alarmados com a incessante busca.”

Evitei mastigar a página venenosa com um homem empunhando uma bombinha Flit assassinando baratas e mosquitos.

A minha sobremesa foram as frutas do chapéu da Carmem Miranda. Eu preferiria que as frutas estivessem com as cores vibrantes, tropicais, exuberantes. As frutas estavam um pouco amareladas, como o sorriso da atriz por causa do contrato com o estúdio que a forçava a aparecer em eventos com seus figurinos extravagantes.


Depois de tudo preciso de um licor, um digestivo.

28 março 2017

Apito do trem


Há gente que se debruça na janela e observa a grama crescer. Antigamente era assim comigo e eu nem percebia.

Da minha janela sempre pude me ver.

Em um dia de chuva, brinquei com os meus irmãos no playground. A tia da escola desenhou comigo a primeira letra do meu nome. O professor escreveu em inglês no quadro negro. No cinema, ganhei um beijo de língua. Colei na prova de cálculo de estruturas metálicas. Emoldurei a foto da a primeira casa que construí.

Um dia abri a janela e a aliança refletiu o sol. Contra a luz vi a ecografia com uma criancinha minúscula. Pisquei os olhos e vi um sorriso banguela. Esfreguei os olhos para enxergar direito e Carolina estava embarcando para Disney com as colegas debutantes. Carol estava grávida quando nos despedimos do meu pai no cemitério.

Fiquei surpreso ao constatar que os postes, as árvores, as casas e as pessoas passavam mais rápidos pela janela.

Acima da vidraça sempre havia uma cordinha para avisar ao motorista quando a gente queria descer. Nem sei se quero descer. Não há cordinha, nem ônibus, nem motorista, nem maquinista neste trem.

Pouco importa, se curva ou reta, sol ou chuva, a velocidade aumenta.

Da janela foi possível enxergar o médico receitando um comprimido diário de atorvastatina para combater o colesterol. Depois outras cápsulas para o diabetes e pressão alta. Antes uma cápsula, agora três. O reumatismo acena...

Ouço o apito.


Pela janela, confirmo que o vidro de remédios se esvazia na velocidade do trem.

21 março 2017

Antologia


Sentado num barzinho, fui fulminado com uma pergunta.

— Ó, Klotz, o que é antologia?

Mundo, mundo, vasto mundo, se eu me chamasse Raimundo não faria essa pergunta. Se eu fosse o Raimundo que amava Maria que amava Joaquim, eu também não saberia a resposta. O meu nome é Klotz, não tenho outro de pia.

Se eu estivesse na repartição seria normal esse tipo de pergunta. Estou longe de qualquer dicionário, porque hoje é sábado. Essa Rosa radioativa estúpida e inválida não deveria ter feito esse questionamento.

Perdido, sem lenço e sem documento, nada no bolso ou nas mãos, procuro uma resposta. Desejei me esconder, desejei ir para Minas. Minas não há mais. Quis morrer no mar, mas o mar secou. Vou-me embora pra Pasárgada, sou amigo do rei. Volto para a minha terra que tem palmeiras onde canta o sabiá, que tem cadeiras onde posso sentar e procurar um desmancha-dúvidas.

Meu reino por um dicionário!

Deus, ó Deus, onde estás que não respondes? Preciso urgente de um pai dos burros.

Queixo-me da Rosa, mas a Rosa não fala, simplesmente perguntou o que é antologia.

Para todas as coisas: dicionário. Para que fiquem prontas: paciência. Rosa não tem paciência. Quer resposta. Tem uma pedra no meio do caminho! Cadê o maldito tira-teimas?

Toda pedra no caminho você pode retirar. De repente, não mais que de repente, surge o salvador, senta-se ao meu lado e consulto-o.

Coleção ou seleção de trechos em prosa e/ou em verso.”

— Obrigado, Aurélio!

Aurélio, garoto esperto, informa também que intertextualidade é a superposição de um texto a outro.

Mais uma vez, obrigado, Aurélio!

                                                                      Publicado em “Cara de crachá”

Pesquisa para o texto Antologia
“Mundo, mundo, vasto mundo. Se eu me chamasse Raimundo seria uma rima, não seria uma solução.” — O gauche — Carlos Drummond de Andrade
João que amava Tereza, que amava Raimundo, que amava Maria, que amava Joaquim, que amava Lili.” — Quadrilha — Carlos Drummond de Andrade
“O meu nome é Severino. Não tenho outro de pia.” — Morte e vida severina — João Cabral de Melo Neto
Porque hoje é sábado.” — O dia da criação — Vinícius de Moraes
“A rosa hereditária. A rosa radioativa estúpida e inválida.” — A rosa de Hiroshima — Vinícius de Moraes
Sem lenço e sem documento, nada no bolso ou nas mãos.” — Alegria, alegria — Caetano Veloso
“Quer morrer no mar, mas o mar secou; quer ir para Minas, Minas não há mais.” — E agora, José? — Carlos Drummond de Andrade
“Vou-me embora pra Pasárgada, sou amigo do rei.” — Vou-me embora pra Pasárgada — Manuel Bandeira
Minha terra tem palmeiras, onde canta o sabiá, as aves que aqui gorjeiam, não gorjeiam como .” — Canção do exílio — Gonçalves Dias
Meu reino por um cavalo!” — exclamou Ricardo III na Guerra das Duas Rosas, conforme William Shakespeare
Deus, ó Deus, onde estás que não respondes?” — Vozes d'África — Castro Alves
“Queixo-me às rosas, mas que bobagem, as rosas não falam, simplesmente as rosas exalam o perfume que roubam de ti, ai.” — As rosas não falamCartola
"Para todas as coisas: dicionário. Para que fiquem prontas: paciência." — Diariamente — Nando Reis
“No meio do caminho tinha uma pedra, tinha uma pedra no meio do caminho.” — No meio do caminho — Carlos Drummond de Andrade
Toda pedra no caminho você pode retirar.” — É preciso saber viver — Roberto Carlos e Erasmo Carlos
“De repente, não mais que de repente, fez-se de triste o que se fez amante.” — Soneto da separação — Vinícius de Moraes

“Se você rouba de um autor, é plágio, se de vários, é pesquisa.” — Wilson Mizner

07 março 2017

Crônica da mitologia


— Por favor, Eustáquio. Conte-me tudo sobre o Francisco Duarte.

— Ele, o Chico, dizia trabalhar no jornal havia sete anos. Que graças ao ótimo desempenho como estagiário conseguira, logo de cara, um lugar na editoria de política. Cobrira vários ministérios: Trabalho, Transportes, Fazenda e especialmente o da Justiça. Por conhecimento jurídico passara a acompanhar o trabalho do Supremo Tribunal Federal, o que lhe rendera dois prêmios internacionais de jornalismo. Estava sendo sondado para trabalhar na Globo News.

Eustáquio, sentindo-se desconfortável, tomou um gole de água.

— Da noite para o dia puxaram-lhe o tapete. Estava arrasado. Dizia que suas matérias transformaram-se em papel higiênico. Alegava que o novo editor-chefe, o Azedo, um sujeito ranzinza, não fora com a cara dele. Dizia que o editor alucinava dizendo que ele tivera um caso com a mulher dele. Aí ele completava: — Bobagem, aquele bagulho não merecia.

— Teve um caso ou não teve?

— Nem sei se a conhecia. Eu só jogava bola com ele e tomava umas cervejas. Sei que ele reclamava que o editor fazia questão de ser chamado, apenas por ele, de doutor Azevedo. Que o perseguia sem dó nem piedade. Até mudou-lhe as atribuições. O Chico sentia-se um lixo.

— Continue, por favor.

— Não posso confirmar, mas dizia que passou a ser responsável pelo obituário, por atualizar a programação de cinema, verificar a temperatura do café e eventualmente escrever alguma matéria onde o Azedo procurava diminui-lo.

— É mesmo?

— Disse-me que anteontem, o chefe, em clima carnavalesco, ordenara que escrevesse sobre a festa em Nova Orleans. Queria uma crônica. O chefe jamais justificava, mas Chico sabia que o cronista faltara. Ficara felicíssimo. Era a oportunidade de viajar e esquecer a marcação cerrada do editor.

— Acabou aí?

— Não. Chico perguntou se pegava as passagens com dona Neide e o doutor teria respondido “Vai viajar no Google, meu camaradinha! E aí, o Chico fazendo uma cara de nojo imitou o doutor Azevedo:

— Nada de florear com as comidinhas, a arquitetura ou a música — finalizou com um sorriso sádico — ah, e antes que eu me esqueça, sabichão, quero que inclua a mitologia grega na crônica.

— O Chico, quase chorava, reclamando do assédio moral, mesmo assim falou que não daria o braço a torcer. Pesquisou loucamente. Descobriu que o sambódromo deles acontece na Avenida Clair Borne e que no Mardi Gras, ou Terça Gorda, sempre há um desfile contínuo de carros alegóricos com música altíssima. Que de cima dos carros distribuem ou jogam milhares de beads - colares de bolinhas plásticas brilhantes. Sempre verdes, amarelas ou roxas, simbolizando fé, poder e justiça. E que a graça, além da bebedeira, estava em encher o pescoço de colares coloridos. Quanto mais colares mais poder. Mas para receber colares havia uma contrapartida, as mulheres precisam levantar a blusa e mostrar os seios ao carro alegórico.


O Eustáquio levantou a camisa cinco centímetros.

— Aí, o Chico disse-me que foi interrompido com um telefonema do doutor: “A matéria deverá estar pronto até as dezoito horas se não quiser perder a cabeça”.

Eustáquio gesticulou com o indicador cortando o pescoço da esquerda para a direita.

— O meu amigo era um baita profissional. Alucinadamente pesquisou deuses e deusas: Poseidon, Zeus e Dionísio, Afrodite, Medusa e Pandora. Resolveu criar uma crônica carnavalesca silenciosa. Incendiou o teclado com fúria e entregou o texto a tempo de salvar o pescoço.

Fez uma pausa. Abaixou a cabeça.

— Não adiantou, né. Foi morto com um tiro no coração.

— O senhor, leu a crônica?

— Não por quê?

— O seu amigo escreveu que Atena era a deusa da festa. Era a que tinha mais colares.

— E daí, inspetor?

— Daí que Atena é o nome da esposa do doutor Azevedo.
 
Search Engine Optimisation
Search Engine Optimisation